Economia brasileira deve sair do ciclo negativo no segundo semestre de 2017

Vendas têm resultado positivo em dezembro no comércio de Ribeirão Preto
18 de janeiro de 2017
Faturamento do varejo cai 3,9% em dezembro, diz índice Cielo
23 de janeiro de 2017

Inflação controlada, queda dos juros e nível de emprego estabilizado melhoram as perspectivas para este ano

A economia brasileira completou dois anos de recessão, culminando com o número de 12 milhões de desempregados, passando por uma inflação que atingiu dois dígitos e o encarecimento do crédito. A expectativa, no entanto, é de que o Brasil saia desse ciclo negativo neste ano, com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,5%. Pode até ser muito aquém do que o País precisa, mas a perspectiva de um dado positivo melhora as esperanças das pessoas.

Os consumidores, por exemplo, encerraram o ano passado com 27% de aumento na confiança e voltaram a ficar otimistas com o ambiente econômico geral no País. Quem também teve um ganho de confiança foram os empresários do comércio, com alta anual de 32%. E há motivos, de fato, para acreditar que este ano de 2017 será melhor que o anterior.

Isso porque são três as variáveis que influenciam fortemente a decisão de compra das famílias: emprego, renda e crédito. O primeiro tema, o emprego, pode-se dizer que, pelo menos, parou de piorar. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), organizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a taxa de desempregados vem permanecendo estável desde julho do ano passado. Os empresários fizeram os cortes necessários no ano de 2015 e no primeiro semestre de 2016, e agora a economia se adequou a um novo patamar de produção e de números de empregados.

Já a renda será muito menos pressionada neste ano, abrindo espaço para mais consumo. A inflação, que bateu 10,7% em 2015, tende a fechar abaixo do teto da meta do Banco Central, de 6,5%, em 2016. A projeção para este ano é de ficar abaixo dos 5%. Vale lembrar que está tendo deflação no grupo que mais importa no orçamento das famílias: os alimentos.

Com a inflação voltando a patamares mais adequados, há espaço para aumentar os cortes nos juros. Por mais que uma redução de 0,5 ponto porcentual não represente tanta coisa ao consumidor no curto prazo, apenas a expectativa do ciclo de queda já reduz a taxa de juros futura e movimenta os investidores a buscarem melhores rentabilidades. Muitos, inclusive, investem na economia real, o que favorece na geração de emprego e renda.

Portanto, o emprego parando de piorar, a inflação controlada e os juros caindo formam uma excelente equação para esperar bons resultados. Evidentemente, o quadro político-econômico atual é bastante grave, e o primeiro semestre deste ano carregará ainda muito do legado negativo do ano passado. Porém, pode-se acreditar na recuperação lenta e gradual no segundo período do ano baseado na melhora destes indicadores, fundamentais para decisões de compra e investimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *