Emprego formal no varejo da região de Ribeirão Preto recua 1,9% em novembro, na comparação com mesmo mês de 2015

Atividade do varejo abre 2017 em queda, segundo Serasa
8 de fevereiro de 2017
Meirelles diz que mercado deve elevar previsão de crescimento da economia
10 de fevereiro de 2017

Em novembro, o comércio varejista na região de Ribeirão Preto criou 942 postos de trabalho, resultado de 5.696 admissões contra 4.754 desligamentos. Em 12 meses, foram eliminados 2.675 empregos com carteira assinada, representando um recuo de 1,9% do estoque total na comparação com o mesmo mês de 2015. Com isso, o varejo da região totalizou 141.542 trabalhadores formais.

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Das nove atividades pesquisadas, seis registraram recuo no estoque de empregos formais em novembro no comparativo com o mesmo mês de 2015. Os mais significativos foram vistos nos setores de lojas de móveis e decoração (-7%), de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (-5,6%) e de materiais de construção (-5,5%). Somente os setores de farmácias e perfumarias (4,9%), supermercados (0,3%) e autopeças e acessórios (0,2%) apresentaram crescimento no período.

Desempenho estadual
Pelo segundo mês consecutivo, o comércio varejista do Estado de São Paulo abriu mais postos de trabalhos formais do que fechou. Em novembro, foram criados 15.772 empregos, resultado de 83.439 admissões e 67.667 desligamentos. Com o resultado, o varejo encerrou o mês com estoque total de 2.088.016 trabalhadores, queda de 2,5% na comparação com o mesmo mês de 2015. Esse saldo positivo é superior em 2.090 empregos formais ao registrado em novembro de 2015, quando foram criados 13.682 postos de trabalho. Tradicionalmente, o mês registra saldo positivo no mercado de trabalho, pois é a época que o varejo se prepara para as vendas do Natal. Porém, em 2015, o setor havia registrado o pior saldo desde 2007 e se recuperou um pouco em 2016, mas ainda longe do terceiro pior resultado da série apurado em 2008, quando foram abertas 18.300 vagas.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o menor número de desligamentos e o aumento nas admissões demonstraram que os empresários estavam minimamente mais otimistas no fim de 2016. A recuperação dos indicadores de confiança, diminuição dos recuos mensais das receitas de vendas e melhores perspectivas para economia em 2017, com redução de inflação e juros, auxiliaram esta tendência mais positiva.

Mesmo com o bom desempenho em novembro, sete das nove atividades pesquisadas apresentaram queda no número total de empregos na comparação com o mesmo mês de 2015, sendo os piores desempenhos registrados nos segmentos de concessionárias de veículos (-6,1%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (-5,7%) e lojas de móveis e decoração (-5,5%). Em contrapartida, apenas as atividades de farmácias e perfumarias (2%) e supermercados (0,6%) geraram empregos na mesma base de comparação.

Com relação aos dados por ocupações, todas as funções criaram vagas no mês, com destaque para vendedores e demonstradores (+10.460 vagas) e caixas, bilheteiros e afins (+2.838 vagas).

Segundo a FecomercioSP, mesmo com a aumento de empregos em novembro, espera-se que haja retração do mercado de trabalho do varejo paulista em dezembro e janeiro pelo próprio movimento pós-Natal e pelo fato de que a efetivação dos trabalhadores temporariamente contratados para o fim do ano será praticamente inexistente.

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamento; matérias de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecido e calçados; supermercado e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Fonte: FecomercioSP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *