Empresários reduzem compras e 58,3% dos estoques estão adequados em julho

Vendas a prazo crescem pelo 2º ano consecutivo e sinalizam recuperação do comércio
22 de julho de 2019
Vendas para o Dia dos Pais devem crescer 4% em São Paulo
24 de julho de 2019

Segundo a FecomercioSP, os comerciantes demonstram grande capacidade de adaptação frente às adversidades econômicas ao evitar prejuízos por motivos de altos estoques

Os empresários seguem agindo com cautela, e o Índice de Estoques (IE) do comércio paulistano sofre queda de 2% em julho – 116,7 pontos ante os 119,1 pontos de junho. Já em relação ao mesmo período do ano passado, houve alta de 11,2%. A proporção dos que consideraram seus estoques adequados caiu 1,9% – de 59,4% em junho para os atuais 58,3%. No entanto, em relação ao mesmo período de 2018 (52,2%), registrou alta de 6 pontos porcentuais.

De acordo com a assessoria econômica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a queda do índice pode ser considerada positiva, pois os comerciantes estão comprando pouco para não inflar o volume, diante da estagnação das vendas. Assim, demonstram grande capacidade de adaptação às adversidades econômicas ao evitar prejuízos por motivos de altos estoques.

Dessa forma, ficou praticamente estagnado o levantamento de empresários que declararam ter excesso de estoques – de 26,7% em junho para 26,8% em julho, leve alta de 0,2 ponto porcentual. E para os que consideram ter estoques baixos: alta de 1 ponto porcentual em relação ao mês anterior, de 13,7% em junho para os atuais 14,7%. Os números estão próximos dos registrados na pré-crise, antes de 2014, quando 60% dos comerciantes tinham estoques adequados, 25% afirmava ter estoques acima, e 15%, abaixo do adequado.

Entre as pequenas empresas 27,1% estão com estoques altos, enquanto nas grandes, a proporção é menor, 14,6%. Quanto aos estoques baixos, a média não apresenta tanta diferença: 14,7% e 16,7%, repectivamente.

Os dados são levantados pela FecomercioSP e captam a percepção dos varejistas sobre o volume de mercadorias estocadas nas lojas, variando de 0 (inadequação total) a 200 pontos (adequação total). A marca dos 100 pontos é o limite entre inadequação e adequação.

De acordo com a Entidade, a despeito dos controles de estoques bem desenvolvidos, a sugestão de melhora é digitalizar a logística por meio de códigos de barra e QR codes nas etiquetas. Os preços dos equipamentos de leitura registraram quedas e, atualmente, estão mais acessíveis para pequenas e médias empresas.

A Federação também recomenda que os comerciantes sejam assertivos ao adquirir novas mercadorias, sempre atentos às principais demandas dos consumidores.

Perspectivas
A expectativa da FecomercioSP é que, com a aprovação em primeiro turno da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, outros projetos e medidas do governo para economia também sejam acatados. Isso promoverá alívio nas contas públicas e deixará o País em ambiente mais propício para investimentos em longo prazo.

De acordo com a Entidade, já houve melhora nos índices de confiança do consumidor, o que também deve refletir no empresariado. Assim, o ritmo econômico do segundo semestre tende a ser melhor do que o do primeiro de 2019.

Nota metodológica
O IE é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde junho de 2011 com dados de cerca de 600 empresários do comércio no município de São Paulo. O indicador vai de 0 a 200 pontos, representando, respectivamente, inadequação total e adequação total. Em análise interna dos números do índice, é possível identificar a percepção dos pesquisados relacionada à inadequação de estoques para “acima” (quando há a sensação de excesso de mercadorias) e para “abaixo” (em casos de os empresários avaliarem falta de itens disponíveis para suprir a demanda em curto prazo). A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

Fonte: FecomercioSP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *