Caixa anuncia redução de juros e aumento do valor financiado para a casa própria
16 de abril de 2018
Venda no varejo cresce 3% em março
18 de abril de 2018

 CRESCIMENTO DO Produto Interno Bruto (PIB) na Região Administrativa (RA) de Ribeirão Preto foi de 1,5% no ano passado, acima do índice nacional, que segundo o Instituto Brasi­leiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi de 1%

 

A Fundação Sistema Esta­dual de Análise de Dados (Se­ade) divulgou nesta segunda­-feira, 16 de abril, estudo que aborda o desempenho da eco­nomia das regiões do Estado de São Paulo em 2017. De acordo com o levantamento, o Produ­to Interno Bruto (PIB) paulista cresceu 1,6%. Na Região Ad­ministrativa (RA) de Ribeirão Preto, que compreende a cida­de-sede e mais 25 municípios, a alta foi de 1,5%, acima do índice nacional, que segundo o Insti­tuto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi de 1% no ano passado.

A região responde por 2,4% de toda a atividade econômica do Estado. O destaque de 2017 foi o setor de serviços, com cres­cimento de 1,9%. No entanto, os outros dois segmentos ava­liados na pesquisa fecharam o ano no “vermelho”. A indústria encerrou o ano passado com re­tração de 0,3% e a agropecuária terminou em queda de 5,2%. A RA de Ribeirão Preto produziu riquezas com valor total de R$ 53,1 bilhões, o quarto mais alto do Estado sem contar as regiões metropolitanas da capital (R$ 1,10 trilhão) e de Campinas (R$ 371,8 bilhões).

Ribeirão Preto ficou atrás das regiões administrativas (RAs) de São José dos Campos (R$ 109,5 bilhões), Sorocaba (R$ 100,8 bilhões) e Santos (R$ 67,8 bilhões). A RA de Fran­ca (com participação de 1,1%) esta em 10º lugar com PIB de R$ 22,8 bilhões. Fechou 2017 em queda de 0,5% – indústria cresceu 0,4%, mas registrou retração em serviços (-0,2%) e agropecuária (-12,7%).

Já a RA de Barretos (respon­sável por 0,7% da riqueza pro­duzida no Estado) é a 12ª, com PIB de R$ 15,2 bilhões. Também fechou o ano passado em alta de 0,8% – destaque para os serviços (3,6%). A indústria caiu 7,8% e a agropecuária, 3,2%.

O aumento do PIB foi gene­ralizado em quase todo o ter­ritório paulista: das 16 regiões administrativas do Estado, 14 registraram desempenho positi­vo em relação a 2016, sendo que dez delas superaram o cresci­mento alcançado pela economia brasileira no mesmo período (1%). O PIB total de São Paulo passou de R$ 2,07 trilhões.

O incremento do PIB foi amplamente favorável às áreas mais industrializadas do Estado ou naquelas em que os segmen­tos fabris alavancaram seu nível de atividade, com destaque para as regiões de Marília (5,9%), So­rocaba (5,6%), Baixada Santista (3,5%), Campinas (3,1%) e São José dos Campos (2,2%). Fora desse contexto, destacam-se ainda as regiões de Registro, em razão das atividades de extração de petróleo e gás (crescimento regional de 6,5%), e a de Itape­va, influenciada pela agropecu­ária (avanço de 2,9%).

A área que compreende as RAs de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Bauru, Central, Marília, Presidente Prudente, Araçatuba, Franca, Barretos e Itapeva, representando 14,4% da atividade econômica paulis­ta, teve desempenho anualizado positivo (1,5%). Apesar da retra­ção da atividade industrial nas regiões de Araçatuba (-11,5%) e Barretos (-7,8%) e da queda da agropecuária na maioria das RAs, com destaque para Franca (-12,7%), a área foi favorecida pelo crescimento de regiões im­portantes como Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Central e pelo desempenho da Região Administrativa de Marília.

Na área que engloba as RAs de Santos e Registro – responsável por 3,5% da atividade econômica do Estado –, o PIB teve avanço de 3,8% em 2017. Esse crescimento está relacionado à indústria na RA de Santos (avanço de 5,7%), com destaque para os segmentos de refino de petróleo, metalurgia e petroquímica em Cubatão, e com o excepcional desempenho da indústria extrativa na RA de Registro, associado à extração de petróleo e gás no pré-sal no litoral paulista (ampliação de 13,3%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *