Varejo deve crescer no ano apesar de segundo trimestre incerto e eleições

Após queda em fevereiro, vendas do comércio sobem 0,3% em março
11 de maio de 2018
Comércio varejista da região de Ribeirão Preto elimina 82 postos de trabalho formais em fevereiro
15 de maio de 2018

Economistas veem resultado da PMC no primeiro trimestre como bom sinal, mas antecipação da Páscoa e ausência de fatores “isolados” como saque do FGTS e cenário político podem prejudicar

O bom resultado do varejo brasileiro no primeiro trimestre aqueceu as estimativas de crescimento – mesmo que lento – do setor em 2018, apesar da perspectiva de alta tímida no segundo trimestre e da incerteza eleitoral na segunda metade do ano.

Entre janeiro e março, o volume de vendas do comércio varejista ampliado (que inclui veículos, motos, partes e peças, além de materiais de construção) evoluiu 6,6% frente o mesmo intervalo de 2017 – ou o único trimestre do ano passado em que a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) constatou queda interanual frente 2016.

O resultado do varejo ampliado em março também agradou, crescendo 1,1% frente fevereiro e superando “a decepção com o varejo no curtíssimo prazo no primeiro bimestre”, segundo o economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fabio Bentes.

Após a divulgação dos números pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a CNC elevou de 5% para 5,4% a perspectiva de alta nas vendas do varejo ao longo do ano. Para economistas, o comportamento relativamente positivo dos condicionantes taxa de juros, inflação e emprego surgem como razões.

Conforme Bentes, “o patamar historicamente baixo da taxa de juros” já surte efeito sobre o setor automotivo, que acumulou alta de 17,9% no volume de vendas no ano, além de evolução de 16% em março frente fevereiro. Arrisco dizer que este será o segmento do ano”, afirmou.

Economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomercio MG), Guilherme Almeida também destacou o impacto positivo de fatores macroeconômicos sobre os resultados do setor. Por outro lado, “a expansão da informalidade e a taxa de juros ainda alta na ponta” indicam uma recuperação “ainda lenta.”

Percepção semelhante é compartilhada pelo presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), Claudio Felisoni. “A recuperação que tivemos foi em cima de base [de volume de vendas] bastante deprimida”, observou ele. O dirigente ainda lembrou que “o juro ao comércio está em média 5,4% ao mês, ou bem acima da taxa Selic”.

Oscilação
Em 2018, o primeiro trimestre ainda teve reforço extra para o varejo: a realização da Páscoa em março, contribuindo para alta de 13% no volume de vendas dos hipermercados e supermercados ante fevereiro.

“Sem a Páscoa em abril, o segundo trimestre para os super e hipermercados pode não ser bom na comparação com 2017”, afirmou Bentes, da CNC; o setor alimentício é o mais relevante dentre os acompanhados na PMC.

Por outro lado, a categoria dos artigos de uso pessoal e doméstico – que avançou 13,8% em março e 10,9% no ano – pode apresentar bons números por conta da Copa do Mundo da Rússia, uma vez que inclui artigos esportivos.

Segundo a CNC, o evento deve gerar R$ 1,5 bilhão em vendas – sobretudo através dos bens de consumo; no acumulado do ano, a venda de eletrodomésticos já soma alta de 5,1%, apesar de leve queda em março frente fevereiro (-1%).

A predisposição do brasileiro por produtos mais caros, contudo, pode afetar a venda de outras categorias – como a de tecidos, vestuário e calçados, que acumula baixa de 1,6% no ano. “O bolso do cliente é um só. Se ele direciona recursos para bens duráveis, outras compras diminuem”, sinalizou Felisoni, do Ibevar.

“Também não teremos fator para substituir o anabolizante que foram os saques do fundo de garantia em 2017”, confessou Fabio Bentes, da CNC; a entidade estima que um quarto do valor retirado foi para consumo – ou R$ 10,8 bilhões.

“Haverá o abono salarial do PIS/Pasep, mas com impacto muito inferior porque ele é restrito a percentual pequeno da população”, completou Almeida, da Fecomercio MG.

Além de tudo, Almeida ainda cita o peso da incerteza eleitoral, “que normalmente afeta os investimentos do setor. Mesmo com os indicadores positivos, o cenário político pode agravar a situação.”

Vale lembrar que a “régua” para o desempenho do varejo no segundo semestre é grande: em 2017, o setor teve alta interanual de 7,5% no terceiro quarto e de 7,7% no último.

Fonte: DCI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *