Varejo e setor de serviços podem puxar a melhora na produção industrial

Crédito ajuda, e varejo reage no início do 2º semestre
12 de setembro de 2019
Propensão para compras parceladas e confiança do empresário apontam queda
16 de setembro de 2019

Resultado dos dois setores entre junho e julho fica acima da expectativa do mercado; liberação de R$ 500 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço deve manter os segmentos aquecidos, o que pode fortalecer a produção industrial, segundo especialistas

Dados divulgados nesta quinta-feira (12/9) mostram melhora na atividade econômica, no mês de julho, no setor de serviço, com expansão de 0,8% com relação a junho, segundo o IBGE; e na demanda por produtos de bens industriais, que registrou aumento de 2,6% entre junho e julho, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Esta semana, o IBGE também divulgou que, em julho, as vendas do varejo aumentaram 1% na comparação com junho. No entanto, ainda não é possível contar com um segundo semestre mais dinâmico, embora especialistas vejam sinais de consistência, principalmente com relação a serviços e a comércio.

Economistas de instituições financeiras, consultados pelo Banco Central, e divulgados no último boletim Focus, esta semana, reduziram as previsões para inflação, de 3,59% para 3,54%, mas mantiveram a projeção para o resultado do PIB, em 0,87%, para este ano. O próprio secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, na terça-feira, disse que agosto ainda terá resultados tímidos, por encerrar “um ciclo extremamente difícil” da economia, embora o governo conte com resultados melhores a partir de setembro.

De acordo com os números do IBGE, o crescimento de 0,8% em serviços entre junho e julho é o maior desde dezembro, mas ainda está 11,8% abaixo do resultado alcançado em maio de 2014 e 1,2% menor do que em dezembro do ano passado. Os serviços também aumentaram em comparação com o mês de julho de 2018 (1,8%), com crescimento em quatro das cinco atividades que compõem o quadro da pesquisa e em 54,8% dos 166 serviços.

“Foi a primeira alta significativa do setor de serviços. Precisamos observar os próximos meses, porém, a expectativa é boa com a liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)”, disse o coordenador da Sondagem de Comércio da Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre FGV), Rodolpho Tobler. Com relação ao comércio, ele acredita que o resultado de julho é um sinal de recuperação do setor, que será ainda mais beneficiado pelo impacto da liberação do FGTS até o fim do ano. Para ele, porém, uma retomada mais consistente só será possível com a melhora no nível de emprego.

Fonte: Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *