Vendas de maio mostram tendência de recuperação no comércio de Ribeirão Preto

Setor de serviços paulista cria 12.891 empregos em abril
22 de junho de 2017
Confiança do comércio cresce 23,8% em junho
26 de junho de 2017

Além da pesquisa Movimento do Comércio, do SINCOVARP, indicador da FecomercioSP revela queda na rotatividade de funcionários no varejo local

As vendas do comércio de Ribeirão Preto caíram –1,56%, em maio de 2017, na comparação com o mesmo período do ano passado, quando a variação foi de -3,98%, no entanto, apresentaram recuperação em relação ao mês anterior (abril), quando a variação negativa foi de -1,78%. A tendência é de retomada do crescimento, segundo a pesquisa Movimento do Comércio, realizada mensalmente pelo SINCOVARP – Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região.

Entre as empresas entrevistadas, 54,1% declararam que as vendas de maio de 2017 foram piores do que em maio de 2016, enquanto 41,7% consideraram o contrário e para 4,2% das entrevistadas as vendas nos dois períodos foram equivalentes.

Setorial – Quatro setores apresentaram crescimento de vendas em maio: Vestuário (1,70%), seguido por Calçados (1,68%), Tecidos/Enxoval (1,36%) e de Presentes (0,87%). As variações negativas ficaram por conta do segmentos de Livraria/Papelaria (–5,44%), Móveis (–4,88%), Ótica (–4,43%), Cine/Foto (–3,84%) e de Eletrodomésticos (–1,02%).

Emprego – Com relação ao emprego, apesar da redução média apurada em maio ser de –1,16% no número de postos de trabalho do comércio em geral, apenas um setor declarou ter demitido, Tecidos/Enxoval com redução média nos quadros funcionais de –10,47%. Entre as empresas pesquisadas 95,8% mantiveram os postos de trabalho inalterados, enquanto 4,2% declararam ter demitido e nenhuma das entrevistadas declarou ter contratado.

“Esse comportamento tem sido recorrente, apesar de serem poucos os movimentos de demissão, não tem sido registradas contratações por parte das empresas, o que acaba acarretando reduções pequenas, porém sucessivas no número de postos de trabalho do comércio em geral”, explica Marcelo Bosi Rodrigues, economista do SINCOVARP, responsável pelo estudo.

Para Rodrigues, o quadro geral da economia do país ainda é complexo. “É incrível a contaminação que o ambiente político tem tido sobre a economia, com uma infindável capacidade de gerar novos fatos negativos e de os agentes políticos não terem a sensibilidade de perceber que o ambiente está se transformando e que é preciso mudar a velha forma de fazer política. Infelizmente todo esse processo não é rápido e muito menos indolor. Qualquer análise puramente econômica não será capaz de identificar a complexidade existente por traz do cenário econômico do Brasil atual”, comenta.

“O que esperar então da economia? Arriscamo-nos a dizer que estamos em recuperação, é para lá que os números apontam, mas trata-se de uma recuperação lenta e hesitante. Os primeiros setores a apresentarem melhora são os que vendem produtos de menor valor unitário, ninguém se atreve a fazer grandes gastos, muito menos a contrair novas dividas. No início do ano nos perguntávamos se tínhamos atingido o fundo do poço da crise econômica, a resposta hoje é: sim, atingimos o fundo do poço, estamos um pouquinho melhor, mas ainda estamos dentro do poço”, analisa Rodrigues.

Segundo estudo da assessoria econômica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, as variações anuais da taxa de rotatividade profissional no comércio varejista da cidade teve queda.

Um dos maiores desafios do mercado de trabalho formal brasileiro são as altas taxas de rotatividade da mão de obra. Conhecida também como “turnover”, a rotatividade é a movimentação de trabalhadores medida por determinado período, em relação ao estoque de vínculos celetistas de uma economia ou setor, em local específico.

De forma bem direta, a rotatividade significa custo. São custos para o recrutamento e seleção, custos administrativos para admissão, treinamentos e integração e também aos desligamentos. Para o comércio, além do preço pago pelos processos descritos acima, é muito comum, pela atuação profissional calcada na prática imediata das funções, que um colaborador já estabelecido no quadro de funcionários da empresa seja direcionado por uma ou duas semanas para aplicar treinamento básico a um novo colaborador admitido. Isto é, acrescenta-se aos custos de admissão e desligamentos, a “perda” das funções produtivas de um funcionário para temporariamente treinar outro. Tal realidade é comum ao setor, principalmente quando o mesmo é composto em 97% por empresas com até 20 trabalhadores em seu quadro funcional.

O cálculo anual da taxa de rotatividade, segundo o próprio Ministério do Trabalho, é obtido utilizando o menor valor entre o total de admissões e desligamentos sobre o total de empregos no 1º dia do período avaliado. Pesquisas da própria FecomercioSP mostraram que o comércio varejista possui uma das maiores taxas de rotatividade de mão de obra formal no Estado de São Paulo. Ficando por muitas vezes aos patamares mensais de 4% ou próximo aos 50% anuais. Como referência, os líderes são Construção Civil e Agropecuária, com taxas mensais que rondam, respectivamente, 6,5% e 4,5%. Porém, nestes casos, a sazonalidade é uma característica intrínseca aos setores, de modo que a intensa movimentação de trabalhadores também é uma consequência endêmica a eles.

No comércio varejista de Ribeirão Preto o turnover atingiu seu ápice anual em 2011, aos 63,9%. Depois deste ano há uma derrocada para os 45,5% do ano passado. Em 2017, pelos dados disponíveis, não parece que o indicador será muito distinto dos dois últimos anos.

GRÁFICO 1: Evolução da taxa de rotatividade do varejo de Ribeirão Preto

 

 

Fonte: CAGED – Ministério do Trabalho

Elaboração e Cálculos: FecomercioSP

Até abril

Divisão por atividades

De forma bastante clara, observa-se que mesmo em queda, o mercado de trabalho celetista nas lojas de vestuário, tecido e calçados locais continuam com maior taxa de rotatividade, 63,7% em 2016. Supermercados (52,1%) ficam logo atrás. Concessionárias de veículos possuíram ano passado menor valor percentual de movimentação de mão de obra celetista.

 

TABELA 1: Taxa de rotatividade do varejo de Ribeirão Preto por atividades

Naturalmente a taxa de rotatividade acompanha o desempenho da geração de vagas. Em momentos de crescimento do emprego, como ocorrido no comércio varejista de Ribeirão Preto, em 2013, as admissões superam os desligamentos (saldo positivo de vagas). Com isso utiliza-se exatamente os dados de desligamentos para compor o indicador. Com emprego em alta, os desligamentos também ficam elevados, pois há mais confiança do trabalhador para troca de postos de trabalho.

Por outro lado, em momentos de baixa do mercado de trabalho, como em 2016, as admissões ficam abaixo dos desligamentos (saldo negativo de vagas). Neste caso utiliza-se exatamente o número de admitidos para compor o índice. Se o mercado está em baixa é porque os empresários não estão contratando, portanto, há menor registro de admissões e recuo taxa de rotatividade. Em suma, a rotatividade, em geral, é dependente direta do aquecimento econômico e, por consequência, do próprio mercado de trabalho.

Conclusão

A análise da taxa de rotatividade do varejo de Ribeirão Preto mostra que, mesmo com queda para 45,5% no ano, em pouco mais de dois anos, em uma analogia simples, quase todo mercado de trabalho do setor se movimenta.

O comércio, devido as sazonalidades das datas especiais (Natal, Dia das Mães, Páscoa, etc) possui intrinsecamente rotatividade mais elevada, ainda assim, é importante demonstrar o quão grande é isso.

Em geral, a rotatividade, quando não justificada pelas sazonalidades de aumento de demanda, obras, colheitas, entre outros motivos para aumento temporário de trabalhadores, é corrosiva à produtividade econômica. Exatamente pela burocracia e custo de se contratar ou se desligar, seja a pedido do trabalhador ou decisão do empregador.

Este cenário mostra o quão é essencial a modernização das relações trabalhistas no país, dando mais liberdade, simplificação e segurança jurídica para empresários e trabalhadores.

Sobre o SINCOVARP

Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região é o representante máximo do setor na cidade e mais 43 municípios que compõem sua base territorial, com cerca de 15 mil filiados. Além de liderar o comércio varejista local e regional, e defender os interesses do setor, o SINCOVARP também participa de inúmeras iniciativas que visam fortalecer o varejo e fomentar o desenvolvimento socioeconômico. Em 2017 a instituição comemora 75 anos.

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 156 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista – e quase 10% do PIB brasileiro – gerando em torno de 10 milhões de empregos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *