Vendas do varejo caem 0,2% em fevereiro, aponta IBGE

Parcela de famílias paulistanas endividadas cresce e atinge 54,6% em março, aponta FecomercioSP
11 de abril de 2018
DSC_0312
Comércio de Ribeirão Preto aposta no feriado de Tiradentes para alavancar as vendas no Dia das Mães
13 de abril de 2018

Na comparação com fevereiro do ano passado, setor registrou avanço de 1,3%. Nos últimos 12 meses, comércio cresceu 2,8%

As vendas do comércio varejista brasileiro recuaram 0,2% em fevereiro na comparação com janeiro (com ajuste sazonal). Apesar do recuo, o setor acumula alta de 2,8% em 12 meses, mantendo uma trajetória de recuperação. É o que aponta a Pesquisa Mensal de Comércio divulgada nesta quinta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com fevereiro de 2017 (sem ajuste), o volume de vendas do comércio avançou 1,3%, a 11ª alta seguida nesta base de comparação. Com isso, o varejo acumula alta de 2,3% no ano.

O principal impacto negatico nas vendas do varejo na passagem de janeiro para fevereiro, segundo o IBGE, foi do setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que recuou -0,6%. A queda compensou o avanço que o setor havia registrado no mês anterior, que foi de 2,3%.

Os outros recuos siginificativos foram dos setores de Tecidos, vestuário e calçados (-1,7%) e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,8%). Ambos também havian avançado na passagem de dezembro para janeiro: respectivamente 0,8% e 7,3%.

Tiveram aumento nas vendas na comparação com janeiro os setores de Móveis e eletrodomésticos (1,5%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,8%); Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (2,7%) e Livros, jornais, revistas e papelarias (1,6%).

Veja o resultado das vendas do varejo por segmento em fevereiro:
– supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,6%)
– tecidos, vestuário e calçados (-1,7%)
– artigos de uso pessoal e doméstico (-0,8%)
– combustíveis e lubrificantes (-1,4%).
– Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (2,7%)
– Livros, jornais, revistas e papelarias (1,6%)
– Móveis e eletrodomésticos (1,5%)
– Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,8%)

Trajetória de recuperação
A gerente da pesquisa, Isabella Nunes, enfatizou que apesar da queda na passagem de janeiro para fevereiro, o comércio varejista mantém trajetória de recuperação. O indicador que aponta para este cenário, segundo a pesquisadora, é o do acumulado em 12 meses.

“Sinaliza uma recuperação iniciada em outubro de 2016 em praticamente todas atividades”, afirmou. Isabella acrescentou que, entre as atividades, super e hipermercados é o que tem o maior impacto nesta recuperação.

Ainda segundo a pesquisadora, a comparação com o volume de vendas do varejo em fevereiro do ano passado também reforça a recuperação do comércio brasileiro. O crescimento de 1,3% completa um ciclo de 11 taxas positivas consecutivas nesta base de comparação. Ela ponderou, no entanto, que esta foi a mais baixa deste período. Em setembro, a alta chegou a 6,2%.

“Isso acontece porque temos uma recuperação do mercado de trabalho apoiada em ocupações informais, com menores rendimentos e benefícios limitados. Isso acaba influenciando o comércio também”, ressaltou Isabella ao comentar a perda de ritmo desta recuperação.

Ainda em relação ao menor ritmo na comparação com fevereiro de 2017, Isabella destacou que os impactos negativos foram dos setores de combustíveis e lubrificantes, livros, jornais, revistas e papelaria e tecidos, vestuário e calçados.

“Dentre eles, o combustível teve o principal impacto negativo pois o aumento de preços vem inibindo o consumo”, acrescentou a pesquisadora.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *