Vendas do varejo têm queda de 2,2% no ano, diz IBGE

Recursos das contas inativas do FGTS podem representar acréscimo de até 2,5% no faturamento do varejo paulista, aponta FecomercioSP
13 de abril de 2017
Recursos das contas inativas do FGTS podem aumentar em até 1,7% as vendas do varejo na região de Ribeirão Preto
18 de abril de 2017

Em fevereiro a queda registrada foi de 0,20%; nos últimos 12 meses o recuo foi de 5,4%

As vendas do comércio varejista caíram 0,20% em fevereiro ante janeiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira, 12, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com fevereiro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram baixa de 3,2% em fevereiro de 2017. Nesse confronto, as projeções iam de uma retração de 6,00% a 8,60%, com mediana negativa de 7,00%.

As vendas do varejo restrito acumularam retração de 2,2% no ano e queda de 5,4% em 12 meses.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 1,40% em fevereiro ante janeiro, na série com ajuste sazonal. O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde um crescimento de 0,50% a 3,10%, com mediana positiva de 1,90%.

Na comparação com fevereiro de 2016, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram baixa de 4,2% em fevereiro de 2017.
Nesse confronto, as projeções variavam de uma retração de 5,00% a 8,70%, com mediana negativa de 7,10%.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam queda de 2,1% no ano e redução de 7,5% em 12 meses.

As vendas de supermercados caíram 0,5% após alta de de 8,1% em janeiro. As dos equipamentos de informática registraram queda de 1,5%. Os materiais de construção caíram 1,3% após alta de 1% no mês anterior.

A venda de móveis e eletrodomésticos subiram 3,8% em relação a janeiro. No vestuário a alta foi de 1,5%, após aumento de 12,8% em janeiro. A venda de combustíveis subiu 0,6% após queda de 1,3% no mês anterior.

O resultado veio exatamente no piso do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 0,20% a uma alta de 1,80%, com mediana positiva de 0,50%.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *